"Querem castigar Portugal por ter um governo de esquerda"
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
*
22-07-2016

Manuel Alegre encerra neste sábado a Conferência Internacional “Encarceramento colonial no século XX: uma abordagem comparativa”, que decorre de 21 a 23 de julho no Museu do Aljube - Resistência e Liberdade, com a apresentação do livro “Papeis da Prisão: apontamentos, diário, correspondência (1962-1971)”, de Luandino Vieira, editado pela Caminho. Manuel Alegre conheceu Luandino Vieira na prisão de S. Paulo, em Luanda, em 1964, e recorda, no seu livro “Uma outra memória”, que lhe ficou a dever, para além da escrita, gestos de cumplicidade que nunca esqueceu: “a mensagem que numa outra noite encontrei dentro de uma caixa de fósforos. Vinha assinada por Luandino, dizia que sabiam quem eu era e que um deles estaria sempre acordado durante os interrogatórios e de manhã assobiaria a conhecida canção russa ‘Plaine, ma plaine’. Ainda hoje guardo comigo esse assobio.” Luandino seria aliás responsável pela salvação de alguns poemas de Manuel Alegre, escritos na cadeia e que Luandino conseguiu passar para o exterior. Ler mais

Manuel Alegre ao jornal i:
06-07-2016 Luís Claro, jornal i

Manuel Alegre critica duramente a postura das instituições europeias por ameaçarem aplicar sanções a Portugal e considera que este debate só está em cima da mesa porque existe um governo de esquerda. “Estão a utilizar um formalismo jurídico para, politicamente, castigar Portugal por o país ter um governo de esquerda. Isso é, além de injusto, um grande erro político nas circunstâncias atuais e dá impressão que o sr. Schäuble e aqueles que com ele estão coordenados querem que na Europa haja governos alinhados. Uma nova espécie de governos de Vichy”, diz, em declarações ao i, Manuel Alegre. Ler mais

Manuel Alegre no Congresso do PS:
04-06-2016


“Não sou eurocéptico mas também não sou eurobeato”, afirmou Manuel Alegre no Congresso do PS. Elogiando a coragem dos partidos que apoiam o governo e o caminho feito por António Costa, Manuel Alegre alertou: “O governo tem condições para levar o seu mandato até ao fim, a grande dificuldade está na Europa, o que não é normal.” Considerando que o PS está a fazer um “reformismo de esquerda” que é hoje “pioneiro na Europa e contraria a lógica do pensamento único”, Manuel Alegre incitou à luta para mudar Portugal e a Europa, sem afrontamento mas sem subserviência e lembrou, sempre com fortes aplausos dos congressistas: “Não pedimos licença a ninguém para fazer o 25 de Abril e não precisamos da licença de ninguém para fazer o governo que quisermos, com quem quisermos.” Ler mais

15-06-2016 Lusa e RTP1

O escritor Manuel Alegre irá receber um doutoramento honoris causa da Universidade de Pádua, em Itália, revelou hoje à agência Lusa a editora D. Quixote. O poeta será doutorado honoris causa em Línguas e Literaturas Modernas Europeias e Americanas, seis anos depois de a Universidade de Pádua ter criado a Cátedra Manuel Alegre, destinada ao estudo da Língua, Literatura e Cultura Portuguesas. Ler mais

Com o livro de poemas ‘Bairro Ocidental’
25-05-2016

O Júri do XXI Grande Prémio de Literatura dst distinguiu hoje a obra Bairro Ocidental, de Manuel Alegre, onde reencontrou "uma das mais carismáticas vozes de protesto e de indignação portuguesas". Segundo o comunicado emitido, o júri “encontrou nesta obra de um dos mais celebrados poetas portugueses contemporâneos o reerguer de uma voz de protesto e de indignação, um retrato inconformado da Pátria e das ditaduras que nos governam, designadamente a dos mercados, com evidentes pontos de contacto com ‘Praça da Canção’, um dos livros mais celebrados de Manuel Alegre, editado há já meio século.” Ler mais

*
Artigo de Manuel Alegre n' A Bola
11-07-2016 com "A Bola"

Na edição de ontem do jornal A Bola, dia da final do campeonato europeu de futebol, Manuel Alegre exprimiu um voto: "E agora? Agora apetece-me dirigir-me a Cristiano Ronaldo e a todos os jogadores citando Jean Paul Sartre: agora peçam a Lua, porque é próprio da juventude pedir o impossível. Ora como já se sabe, afinal a Lua não era um impossível. Os que no Domingo vão entrar em campo de quinas ao peito são descendentes dos que desbravaram o mar desconhecido e (...) ajudaram a fazer a Europa". "Não há impossíveis" foi o título premonitório do seu artigo que transcrevemos em baixo. Ler mais

*
Fernando Guimarães sobre "Vinte Poemas para Camões":
06-07-2016 JL

Fernando Guimarães, em crónica literária sobre "Vinte Poemas para Camões", publicada no JL, sustenta que Manuel Alegre "é visto por alguns críticos, aliás com boas razões, como sendo um poeta em que existe um pendor épico, mas conjugável com uma acentuação lírica. Ora nestes Vinte Poemas talvez se possa encontrar uma terceira acentuação: a dramática". Porquê? interroga-se. "Porque nesses poemas Camões não é o outro como personagem. É, sim, o outro como linguagem", justifica. Ler mais

*
Manuel Alegre em Braga, na entrega do prémio DST:
04-07-2016 com Diário do Minho de 3.7.2016

“Às vezes só os poetas podem dar este grito de libertação”, afirmou Manuel Alegre em Braga, na cerimónia de entrega do grande prémio literário dst ao seu livro de poemas “Bairro Ocidental”, lembrando Luís de Camões. O poeta acusou os políticos portugueses de não saberem nada de história. «Só quem não percebe nada de história pode permitir um insulto a Portugal como aquele que fez o ministro das finanças alemão, Schäuble», afirmou. Ler mais

Manuel Alegre ao DN:
26-06-2016 com João Pedro Henriques, com DN

"Perguntar se é preciso mais federalismo mostra bem que não se aprendeu nada", disse Manuel Alegre ao DN, comentando o futuro da Europa depois do brexit. No seu entender, "o referendo foi um ato de liberdade e uma lição que só uma grande nação como o Reino Unido podia dar". E "a grande lição" a retirar "é que não se faz Europa contra a identidade e as tradições nacionais". Ler mais

*
22-05-2016

Camões foi o lugar de encontro com Camilo Pessanha, Herberto Helder, Mário Cesariny e tantos outros, no programa “A Ronda da Noite”, de Luís Caetano, na antena 2, emitido em 18 de maio. "Devemos a Camões a fundação da língua", lembrou Manuel Alegre, cujo livro “Vinte Poemas para Camões” acaba de ser reeditado pelas Publicações Dom Quixote e estará disponível nas livrarias já esta semana. Ler mais

Artigo de Manuel Alegre no Jornal de Negócios
12-07-2016 Manuel Alegre, Jornal de Negócios

Ninguém me diga mal do Engenheiro, avisou-me por telefone o meu filho Francisco, ele é o nosso Kutuzof. Lembram-se, com certeza, pelo menos os que leram “Guerra e Paz” ou viram uma das várias versões do filme. Foi o grande chefe militar russo que derrotou as tropas napoleónicas. Como o Engenheiro Fernando Santos, também ele irritava os generais, jornalistas e teóricos da guerra. Todos queriam atacar. Ele dizia. “Deixem-nos entrar”. E só contra atacou no momento propício e decisivo. Eu também por vezes me irritei com as escolhas e o sistema de jogo do Engenheiro. Mas tenho de lhe agradecer. Ele fez da selecção uma equipa e uma família. E acabou por criar um momento único de comunhão entre os portugueses, a que o PR soube dar uma expressão adequada: contra o árbitro, contra tudo e contra todos. Ler mais

Arquivo 2005-2009