"Ninguém quer que o 25 de Abril seja uma data inofensiva no calendário."
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
Texto de Manuel Alegre no JL
16-04-2014 JL

“O 25 de Abril não se enquadra nesta nova forma de totalitarismo, que é o poder absoluto dos mercados, perante o qual este governo não só capitulou como foi mais longe do que os funcionários da troika definiram. Pensamento único, linguagem única. Comemorar Abril agora tem que ser um novo ato de libertação cultural e política. Essa será a quinta dimensão do 25 de Abril: a capacidade de renascer da sua própria liberdade”, escreveu Manuel Alegre num texto intitulado “A quinta dimensão”, que responde ao desafio lançado pelo JL a 40 escritores, várias gerações e formações. Ler mais

Adriano de pé, à esquerda, António Portugal à guitarra e Manuel Alegre atrás
A poesia está na rua
19-04-2014

O famoso poema “Trova do Vento que Passa”, de Manuel Alegre, poderá ser lido em ponto grande na Praça D. Pedro IV (Rossio), em Lisboa, entre os dias 21 e 28 de abril, por iniciativa da LeYa e da Câmara Municipal de Lisboa. O poema estará exposto em “mupis” espalhados pela conhecida praça lisboeta, de forma a que os milhares de transeuntes possam lê-lo enquanto passeiam. Incluída na antologia País de Abril, que a Dom Quixote acaba de lançar, “Trova do Vento que Passa” foi escrita em 1963 tendo sido musicada por António Portugal e cantada por Adriano Correia de Oliveira e Amália Rodrigues.
Se passar pelo Rossio, não deixe de a ler. Se não pode passar, ouça-a, na versão de Adriano Correia de Oliveira e António Portugal, AQUI. Ler mais

*
09-04-2014 Pedro Cordeiro, Expresso

Poeta e político encheu o Quartel do Carmo para lançar a antologia "País de Abril", a celebrar os 40 anos da Revolução dos Cravos. O 25 de Abril "não pode ser só mais uma data no calendário". Foi por ter esta convicção que Manuel Alegre lançou, esta quarta-feira, a antologia "País de Abril" (Publicações Dom Quixote, €5), que reúne 29 poemas de alguma forma relacionados com a Revolução dos Cravos. Alguns foram escritos antes de 1974. Ler mais

*
Manuel Alegre a Ana Lourenço, a pretexto de "País de Abril":
08-04-2014 SIC Notícias

“O voto pode abrir o caminho a uma revolução democrática” afirmou Manuel Alegre em entrevista conduzida por Ana Lourenço na SIC Notícias, a pretexto do lançamento do seu novo livro de poemas, “País de Abril”. Lembrando que “nós não pedimos licença a ninguém para fazer o 25 de Abril”, Alegre defendeu que “a mudança tem de começar por nós. Temos de ter estabilidade nas finanças, mas não desta maneira. A destruição de duas ou três gerações por essa razão é um crime. Então é preferível a revolução, porque isso é uma nova forma de totalitarismo.”
Veja a entrevista AQUI Ler mais

*
23-04-2014
Manuel Alegre a propósito do seu livro "País de Abril":
Texto lido no Quartel do Carmo no dia 9 de Abril
09-04-2014 Manuel Alegre

Há quarenta anos, parece que foi ontem, eu estava ainda no exílio. Vi, em Argel, pela televisão, as imagens da tomada do Quartel do Carmo. Foi um privilégio viver esse momento, ainda que de longe. É um privilégio estar hoje aqui a revivê-lo com todos vós. Sem armas. Com poemas e canções que, em outro contexto histórico, também foram armas. Porque o mal, disse Eduardo Lourenço, combate-se com a criação, a poesia e a música. Ler mais

"Em cada poema levanto a pedra"
Páscoa de 2014
19-04-2014 Manuel Alegre, Livro do Português Errante, 2001

Com votos de boa Páscoa, aqui vos deixo o meu poema "QUEM", do "Livro do Português Errante."
Manuel Alegre

QUEM

Não sei como se ressuscita
no terceiro dia
de cada sílaba
nem se há palavra para voltar
do grande rio do
esquecimento.
Não sei se no terceiro dia
alguém me espera. Ou se
ninguém.
Em cada poema levanto a pedra
em cada poema pergunto quem. Ler mais

Artigo de Manuel Alegre no DN
14-03-2014 Manuel Alegre, DN

Antigamente nunca era oportuno. Quem discordasse do governo era comunista. Quem se opusesse à guerra colonial era traidor à Pátria. Quem, no exílio, criticasse o regime e defendesse a liberdade era acusado de calcar a bandeira nacional. Eis que ressurgiu uma linguagem que parece vinda do passado. Começou com Paulo Rangel. Desde que emagreceu, perdeu o ar de intelectual bonacheirão e tornou-se agressivo. Ler mais

*
Baptista Bastos sobre "País de Abril" de Manuel Alegre
09-04-2014 Baptista Bastos, DN, excerto

O cantochão, o hissope, a labareda inculcaram-nos o terror e o medo, pecadores infames e sem remissão. Em quase mil anos de história, e atendendo a todos os conceitos de liberdade conhecidos, temos sufocado com a falta dela e as imposições das classes dominantes. Não há que fugir a isto. Ler mais

*
Fernando Guimarães no JL, a propósito de "País de Abril"
02-04-2014 Fernando Guimarães, JL, Crónica de Poesia

Manuel Alegre acaba de publicar uma antologia de poemas seus que “falam de Abril”. Trata-se de uma poesia de intervenção, pois nela há uma referência ao “vento revoltado” que pode passar pelo ano de 1383, no tempo do Mestre de Avis que é evocado num dos poemas, ou, agora com maior incidência e força, pela revolução de 1974. Ler mais

Arquivo 2005-2009
Notícias
Poema de Manuel Alegre musicado e cantado por Joana Alegre
13-04-2014

O poema "Canção com lágrimas palavras armas", escrito quando o autor tinha 29 anos, faz parte do Canto VII do livro O Canto e as Armas, publicado em 1967, um dos mais paradigmáticos livros de poemas de Manuel Alegre. Em 2014, ano em que se comemoram 40 anos sobre o 25 de Abril e em que Manuel Alegre publicou a antologia "País de Abril", Joana Alegre dedicou ao poeta, seu pai, esta versão desse poema que ela mesma musicou e cantou. O poema abriu a entrevista de Manuel Alegre à Antena 1, no passado dia 3 de Abril.
Clique no título e oiça o poema no final da notícia Ler mais

Agenda
Sábado, 26 de Abril, às 22.00
26-04-2014

A Antena 1 replica, no sábado, dia 26 de Abril, pela 22.00, a conversa de Manuel Alegre e Lídia Jorge gravada na Livraria LeYa Buchholz. Se ainda não ouviu, não perca! Ler mais