"O funcionário que fez o meu BI quando regressei, não me perguntou a profissão, escreveu Poeta. Estou-lhe grato."
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
> Notícias
*
Manuel Alegre, no lançamento da sua obra poética em braille:
"É um encontro de duas formas de liberdade, que acrescenta à cidadania, à cultura e à liberdade"
05-01-2023

“É o encontro de duas linguagens”, afirmou Manuel Alegre ontem em Coimbra na apresentação da sua obra poética em braille, sendo a primeira vez que uma obra poética completa de um autor português é lançada nesta forma de leitura. Manuel Alegre participava num evento promovido pela Biblioteca Municipal de Coimbra, que celebrava, no Dia Mundial do Braille, o seu centésimo aniversário, ocasião em que foi lançada a obra poética do autor em braille.

“Foi uma surpresa, mas é uma emoção e uma honra ver a minha obra poética publicada, toda, agora em braille”, declarou, comovido, o poeta, que acrescentou: “É o encontro de duas linguagens, a linguagem da Poesia, com a sua magia, e a linguagem do braille, com a sua magia também”.

Para Manuel Alegre, isto é “um acto de cultura e de liberdade, porque é um encontro de duas formas de liberdade. Isto acrescenta à cidadania, acrescenta à cultura, acrescenta à literatura e acrescenta também à liberdade individual e à liberdade colectiva. Porque a poesia é uma forma de dança e é linguagem poética, é metáfora, mas é também uma forma de música, a música secreta da língua, acrescentada pela música que cada poeta acrescenta à língua.” O poeta lembrou ainda que esta iniciativa inédita irá permitir à sua obra alcançar novos leitores, que poderão agora lê-la nesta nova linguagem.

A sessão contou com a presença do autor e do vereador com o pelouro das Bibliotecas e Arquivo, Francisco Queirós, e teve a intervenção de José Fernando Rodrigues, professor no Agrupamento de Escolas Coimbra Centro, escola de referência para a cegueira e baixa visão, e de Luís Barata, do Serviço de Ação Social da Universidade de Coimbra, e de Luís Barata, do Serviço de Ação Social da Universidade de Coimbra, que alertaram para a importância do braille para o público em geral.