"É preciso subverter o discurso cinzento e tecnocrático e recuperar a força primordial da palavra"
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
> Notícias
*
Na Gala do S. Luís
Manuel Alegre recebe o Prémio Autor 2014 da Fundação Amália Rodrigues
07-10-2014

“Sou um republicano que tem o culto de uma rainha – essa rainha é Amália Rodrigues”, afirmou Manuel Alegre ontem, na Gala da Fundação Amália Rodrigues, quando recebia o Prémio Autor 2014, que este ano lhe foi atribuído por aquela Fundação. “Amália é uma daquelas pessoas raras que, sendo ela, é mais do que ela, é nós todos, o país passado e futuro”, disse o poeta, lembrando que Amália “canta a alegria dentro da tristeza e a tristeza dentro da alegria. E a saudade que ela canta não é só saudade do passado”, acrescentou, “é a saudade portuguesa de que fala o grande poeta Teixeira de Pascoaes – a saudade prospectiva, a saudade do futuro.”

O júri sublinhou que Manuel Alegre é um dos poetas que foi cantado por Amália Rodrigues e que tem fortes ligações ao fado, através de poemas seus cantados por diversos intérpretes.

Oiça “Meu amor é marinheiro” e “Trova do vento que passa” na voz de Amália, no final da notícia.

Áudio
"Meu amor é marinheiro", poema de Manuel Alegre, música de Alain Oulman, voz de Amália Rodrigues
"Trova do vento que passa", poema de Manuel Alegre, música de Alain Oulman, voz de Amália Rodrigues