"É preciso subverter o discurso cinzento e tecnocrático e recuperar a força primordial da palavra"
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
> Notícias
da esquerda para a direita: Van-Duném Pereira João, Manuel Alegre e o deputado Adão Cristovão Neto, em Nanbuangongo
da esquerda para a direita: Van-Duném Pereira João, Manuel Alegre e o deputado Adão Cristovão Neto, em Nanbuangongo
Lendo o poema "Nambuangongo, meu amor"
Lendo o poema "Nambuangongo, meu amor"
Lendo o poema "Nambuangongo, meu amor"
Lendo o poema "Nambuangongo, meu amor"
Manuel Alegre em Nambuangongo:
“Levo a imagem de uma escola a nascer num local que era de morte”
08-03-2010 com Angop

"Estou aqui com muita emoção, porque aqui se combateu, aqui morreram muitos militares angolanos e portugueses. Vejo com muita emoção uma escola aqui, num local em que antes foram travados duros combates", disse Manuel Alegre hoje em Nambuangongo, província do Bengo, região em que esteve a cumprir serviço militar na década de 1960.

"Levo a imagem de uma escola a nascer e da vida a florir num local que era de morte" sublinhou Manuel Alegre neste retorno a Nambuangongo, onde se emocionou ao visitar campas de soldados angolanos e portugueses que com ele estiveram a lutar naquele local durante a guerra colonial. O autor do poema "Nambuangongo meu amor", que dá título a sua antologia de poemas de guerra, considera a sua visita a este município da província do Bengo como uma peregrinação pensando naqueles que aqui morreram, sublinhando que após a guerra nasceu uma Angola independente e um Portugal livre e democrático.

"Hoje, de Nambuangongo, levo um pedido de uma geminação com uma vila ou cidade portuguesa e levo o pedido que as pessoas venham para Nambuangongo. Penso que muitas pessoas, sobretudo militares portugueses gostariam de fazer esta viagem", referiu.

Nambuangongo é o símbolo de um período que foi muito difícil para o povo angolano e português, segundo considera o político. A deslocação de Manuel Alegre fez-se a convite do Governador da Província do Bengo, João Bernardo Miranda. Manuel Alegre foi acompanhado pelo deputado do Bengo, Adão Neto, e pelo Secretário Provincial do MPLA. À chegada foi recebido pelo Administrador do Município.