Nós voltaremos sempre em maio
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
> Notícias
*
Laurent Binet em Lisboa
Manuel Alegre apresenta HHhH - Operação Antropóide
17-04-2011
terça-feira, 19 de Abril, às 19h00

O escritor francês Laurent Binet estará em Lisboa para duas sessões em volta do romance HHhH - Operação Antropóide. A primeira será na segunda-feira, dia 18, a partir das 18h, na Casa da Achada e vai ter dois momentos: primeiro, um encontro com o autor e depois a projecção do filme Os carrascos também morrem, de Fritz Lang (Guião de Bertold Brecht).

Na terça-feira, dia 19, às 19h, no Instituto Francês em Lisboa, haverá uma apresentação de HHhH, que estará a cargo de Manuel Alegre.

Laurent Binet, autor revelação francês, assina HHhH – Operação Antropóide, vencedor do Prémio Goncourt 2010 para 1.º romance, que a Sextante Editora publica a 14 de Abril.
Fascinado pela Segunda Guerra Mundial, Laurent Binet escreve um magnífico romance sobre o assassinato de Reinhard Heydrich, o chefe dos Serviços Secretos nazis e braço-direito de Himmler, comandante das Schutzstaffel (SS) e uma figura-chave na preparação do Holocausto.
O autor estará em Portugal para o lançamento do seu romance, primeiro no evento LeV – Literatura em Viagem, em Matosinhos, e depois no Instituto Francês de Portugal, em Lisboa, cuja apresentação estará a cargo de Manuel Alegre.

Sinopse:
"Praga, Primavera de 1942, Operação Antropóide: dois pára-quedistas checoslovacos são encarregados de assassinar Reinhard Heydrich, o chefe dos Serviços Secretos nazis e da Gestapo, «o homem mais perigoso do Terceiro Reich». Heydrich era o braço-direito de Himmler e o chefe de Eichmann, e os nazis brincavam com o acrónimo HHhH: Himmlers Hirn heißt Heydrich, o cérebro de Himmler chama-se Heydrich.
Todos os personagens deste livro existiram ou existem ainda. Todos os factos relatados são autênticos. Mas por detrás dos preparativos do atentado, uma outra batalha tem lugar, a que a ficção romanesca trava com a verdade histórica. E é necessário levar a história até ao fim."