Nós voltaremos sempre em maio
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
> Notícias
Ontem, na Feira do Livro
A Canção voltou à Praça
10-06-2014

Foi numa Praça Leya cheia de gente, com muitas pessoas de pé, que se ouviu ontem ler e cantar a poesia de Manuel Alegre, na Feira do Livro de Lisboa. Maria Ana Bobone, Francisco Fanhais, António Ataíde e Joana Alegre, acompanhados por Rui Pato, Bruno Costa, Pedro Pinhal, José Duarte e Rodrigo Serrão, voltaram a entoar e tocar poemas de Manuel Alegre, que muitos sabem de cor e que foram cantados, antes do 25 de Abril, por Adriano Correia de Oliveira, Zeca Afonso e Amália Rodrigues, entre muitos outros.
Oiça a canção “E alegre se fez triste” no final da notícia.

José Carlos de Vasconcelos, poeta e jornalista, fez as honras da casa, conversando com os convidados e desafiando Manuel Alegre a ler alguns dos seus mais emblemáticos poemas. A revelação da noite foi a extraordinária interpretação de “Poemarma” por Joana Alegre, com música da sua autoria. No final cantou-se em coro a “Trova do vento que passa”. Deixamos hoje a belíssima interpretação de Adriano Correia de Oliveira, com música de José Niza, do poema “E alegre se fez triste”, ontem lido por Manuel Alegre, uma canção de despedida para o exílio que haveria de durar dez longos anos até ao dia 2 de Maio de 1974.

Áudio
"E alegre se fez triste", poema de Manuel Alegre, musicado por José Niza e cantado por Adriano Correia de Oliveira