"A Democracia não se faz com demagogos e oportunistas, faz-se com cidadãos"
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
> Notícias
Manuel Alegre ao jornal i:
“Querem castigar Portugal por ter um governo de esquerda”
06-07-2016 Luís Claro, jornal i

Manuel Alegre critica duramente a postura das instituições europeias por ameaçarem aplicar sanções a Portugal e considera que este debate só está em cima da mesa porque existe um governo de esquerda. “Estão a utilizar um formalismo jurídico para, politicamente, castigar Portugal por o país ter um governo de esquerda. Isso é, além de injusto, um grande erro político nas circunstâncias atuais e dá impressão que o sr. Schäuble e aqueles que com ele estão coordenados querem que na Europa haja governos alinhados. Uma nova espécie de governos de Vichy”, diz, em declarações ao i, Manuel Alegre.

O ex-deputado do PS não tem dúvidas de que “a intenção política é dificultar a vida ao governo do PS apoiado por dois partidos de esquerda”.

Manuel Alegre não ataca só a União Europeia. O socialista lamenta a postura de Passos Coelho e de Maria Luís Albuquerque durante este processo. Em relação ao presidente do PSD, diz que “não é bonito que Passos Coelho coloque a partidarite acima do que devia ser a defesa do interesse de Portugal e do povo português”. Sobre a ex-ministra das Finanças, Alegre diz que “seria bom” que explicasse porque é que afirmou que “se fosse ela a ministra das Finanças, não havia sanções. É uma pergunta que não pode deixar de ser feita”.

O histórico socialista espera, porém, que “prevaleça o bom senso nas instituições europeias e, sobretudo, que se dê uma volta a esta conceção punitiva” que atinge países como Portugal. “Nós não entrámos para a Europa para sermos destroçados como país”, afirma Alegre, alertando para que “situações desta natureza deixam perspectivas sombrias” sobre o futuro da Europa. “Isto abre caminho ao desencanto, ao descontentamento, ao populismo e, em certos países, à extrema-direita”, conclui o socialista.