"Se publicasse as memórias, lá apareceria o Kurika como companheiro"
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
> Notícias
Manuel Alegre em jantar com principais autarcas e dirigentes do PS de Braga:
“Pela primeira vez é possível derrotar o candidato que se reapresenta”
31-08-2010 com Lusa e RTP


“Pela primeira vez é possível, na primeira ou na segunda volta, derrotar o candidato que se reapresenta e que está a fazer um falso tabu”, afirmou Manuel Alegre em Braga, à entrada para um jantar de trabalho com o mandatário Carlos Alegria e com presidentes de câmara e dirigentes do PS de todo o distrito.

Alegre salientou que iria ser “uma campanha dura” e voltou a criticar o silêncio de Cavaco Silva sobre o projecto de revisão constitucional: “Eu não faço tabus, venho aqui deixar uma mensagem política muito clara. Compreendo que o Presidente da República tenha alguma reticência em se pronunciar sobre o projecto de revisão constitucional apresentado pelo partido que o apoia, mas eu não faço cerimónia.”

Manuel Alegre alertou para os riscos da revisão constitucional proposta pelo PSD. “Há muitas maneiras de alterar a Constituição ou subverter o regime”. Mesmo que o projecto de revisão constitucional do PSD “não passe, como é evidente”, “se houver uma alteração de poder e do equilíbrio de forças actualmente existente, pode vir um governo que ponha em causa alguns dos direitos sociais que estão consagrados na nossa Constituição”. “Se o Presidente da República for da mesma cor política, disse Manuel Alegre, estará menos atento, menos vigilante e pode deixar passar”. “Comigo, essas subversões não passarão com certeza”, garantiu.

Para Manuel Alegre, o tabu da recandidatura de Cavaco Silva é “um falso tabu”, pois “ainda no sábado passado apareceram 6 páginas de entrevista num conhecido jornal” e “quem não quer ser candidato não dá entrevistas daquela natureza”.

Referindo-se ao candidato do PCP, Manuel Alegre afirmou que “é bom que não haja ambiguidades: é preciso saber se é uma candidatura para derrubar o Governo ou para lutar contra este Governo e abrir caminho a um governo de direita, se é para lutar contra a minha candidatura ou se é para derrotar o candidato de direita, que espero seja o actual Presidente da República”, afirmou. Manuel Alegre salientou que “o PCP sempre apresentou um candidato, é da tradição do partido, e umas vezes retira-se outras não, como aconteceu com o general Ramalho Eanes e na primeira eleição de Jorge Sampaio”. “Acho que a candidatura do PCP até tem alguma utilidade, pois, como disse Jerónimo Sousa, ninguém melhor do que o PCP sabe mobilizar o eleitorado do PCP”, declarou.

Estiveram presentes no jantar de trabalho os seguintes Presidentes de Câmara: Joaquim Barreto, de Cabeceiras de Basto, que é também presidente distrital do PS; Miguel Costa Gomes, de Barcelos; António Magalhães, de Guimarães; Joaquim Viana, de Terras do Bouro; Jorge Dantas, de Vieira do Minho e Dinis Costa, de Vizela, bem como os seguintes vice-presidentes: Vítor Sousa, de Braga e Antero Barbosa Fernandes, de Fafe. Além dos autarcas, estiveram presentes Pedro Sousa, Presidente da JS de Braga, e os seguintes presidentes concelhios do PS: Serafim Pereira, de Cabeceiras de Basto; Domingos Salgado, de Guimarães; Domingos Pereira, de Barcelos; Carlos Mendes, de Vila Verde; Guilherme Alves, de Terras do Bouro; Belarmino Dias, da Póvoa do Lanhoso; João Silva, de Esposende; Jorge Ferreira, de Amares e Manuel Machado, de Celorico de Basto.

Oiça as declarações de Manuel Alegre à TSF AQUI