"Entre o agora e o nunca / lá onde só se chega não chegando / um pouco antes talvez depois / quando."
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
> Discurso Directo
> Discurso Indirecto
Manuel Alegre em Olivença:
"Camões foi o primeiro poeta europeu a contactar outros povos e outros continentes
10-06-2021 https://radioelvas.com/, excerto da notícia e video integral

"Camões foi o primeiro poeta europeu a contactar outros povos e outros continentes" afirmou Manuel Alegre nas comemorações do 10 de Junho em Olivença, a convite do alcaide espanhol de Olivenza, Manuel Andrade.

A Radio Elvas transmitiu em directo a intervenção do poeta, que resumiu assim:

No seu discurso, (Manuel Alegre) relembra que “muitos povos têm como dia nacional datas de batalhas, de conquistas ou da sua própria fundação, Portugal fez da morte de um poeta o seu Dia Nacional, está certo que assim seja, a Camões se deve a glória suprema de ter feito da língua portuguesa não só a pátria cultural dos portugueses da grande comunidade lusófona”.

Manuel Alegre refere ainda que Camões deu origem a esta grande comunidade de afetos a esta língua, que anda por cinco continentes de diferentes identidades e culturas. Dirigindo-se ao alcaide de Olivença, afirma ainda que “cada língua é um legado de liberdade que permite a sobrevivência do homem, vivemos um período de desconstrução de memória e da própria história, desconstrução de valores e da própria democracia, é necessário rigor na apreciação do passado, sem ele dificilmente seremos capazes de construir um futuro”.

“Não podemos ter vergonha da história que fizemos, não podemos ter vergonha da palavra descoberta e muito menos dos grandes navegadores”, Manuel Alegre adianta ainda que num tempo de crise de valores, “oliventinos e portugueses devem desenvolver estes laços que vêm do fundo da história, desenvolvê-los sem preconceitos, para o o desenvolvimento recíprocos, laços que vêm de trás, mas juntos temos que saber projetar no futuro”.

Neste dia a cidade reúne os povos dos dois lados das margens do Guadiana com diversas atividades culturais, de forma a celebrar um passado comum, um presente de convivência e um futuro de oportunidades.