"Quem vota no PS vota na liberdade, não em qualquer forma de extremismo ou dogmatismo, seja ele político ou animalista."
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
> Discurso Directo
> Discurso Indirecto
Manuel Alegre em Olivença:
"Camões foi o primeiro poeta europeu a contactar outros povos e outros continentes"
10-06-2021 https://radioelvas.com/, excerto da notícia e video integral

"Camões foi o primeiro poeta europeu a contactar outros povos e outros continentes" afirmou Manuel Alegre nas comemorações do 10 de Junho em Olivença, a convite do alcaide espanhol de Olivenza, Manuel Andrade.

A Radio Elvas transmitiu em directo a intervenção do poeta, que resumiu assim:

No seu discurso, (Manuel Alegre) relembra que “muitos povos têm como dia nacional datas de batalhas, de conquistas ou da sua própria fundação, Portugal fez da morte de um poeta o seu Dia Nacional, está certo que assim seja, a Camões se deve a glória suprema de ter feito da língua portuguesa não só a pátria cultural dos portugueses da grande comunidade lusófona”.

Manuel Alegre refere ainda que Camões deu origem a esta grande comunidade de afetos a esta língua, que anda por cinco continentes de diferentes identidades e culturas. Dirigindo-se ao alcaide de Olivença, afirma ainda que “cada língua é um legado de liberdade que permite a sobrevivência do homem, vivemos um período de desconstrução de memória e da própria história, desconstrução de valores e da própria democracia, é necessário rigor na apreciação do passado, sem ele dificilmente seremos capazes de construir um futuro”.

“Não podemos ter vergonha da história que fizemos, não podemos ter vergonha da palavra descoberta e muito menos dos grandes navegadores”, Manuel Alegre adianta ainda que num tempo de crise de valores, “oliventinos e portugueses devem desenvolver estes laços que vêm do fundo da história, desenvolvê-los sem preconceitos, para o o desenvolvimento recíprocos, laços que vêm de trás, mas juntos temos que saber projetar no futuro”.

Neste dia a cidade reúne os povos dos dois lados das margens do Guadiana com diversas atividades culturais, de forma a celebrar um passado comum, um presente de convivência e um futuro de oportunidades.