Descobrir não é criar. Chegámos sempre ao que, antes de nós, já lá estava. Mas em cada chegada aconteceu uma dupla descoberta: a dos outros por nós e a de nós próprios pelos outros.
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
> Discurso Directo
> Discurso Indirecto
2 / 3
1 2 3
*
Manuel Alegre em conversa com Clara Ferreira Alves:
27-10-2012

Pode haver um colapso das instituições. Foi o que pressentiu Manuel Alegre na manifestação de 15 de Setembro. Uma conversa sobre o estado da nação e o seu percurso pessoal e político, publicada na Revista do Expresso, em que Manuel Alegre revela que "se fosse Presidente, ter-me-ia oposto muito mais às decisões do Governo e teria usado o recurso ao Tribunal Constitucional. Teria ido à Assembleia e à televisão falar ao povo português". Ler mais

*
Manuel Alegre à TVI24:
27-10-2012

Manuel Alegre afirmou à TVI24 que "este Governo vai cair", porque "está ferido de morte". Comparando este orçamento a um "golpe de Estado por via fiscal", Alegre afirmou ainda que os portugueses estão a ser saqueados, e que isso põe em risco a democracia, retirando a esperança a todos. "Sem estabilidade social", lembrou, "não há estabilidade política, a não ser que se pretenda a estabilidade do antigamente".
Manuel Alegre sublinhou também que o desespero das pessoas pode levar a consequências muito graves: "no Século XX matou-se um Rei, matou-se um Príncipe, matou-se um Primeiro-Ministro, matou-se um Presidente da República e até os fundadores da República". "Isto não é um povo de tão brandos costumes assim", afirmou.
Veja a entrevista na íntegra AQUI Ler mais

*
Manuel Alegre ao DN sobre a manifestação “Que se lixe a Troika”:
16-09-2012

"A manifestação foi um protesto contra a austeridade, as políticas do Governo e da troika e, sobretudo, as medidas mais recentes. Mas também registei um dado novo: as pessoas já não se sentem representadas pelos partidos." Ler mais

*
Manuel Alegre ao DN e TSF:
Entrevista conduzida por João Marcelino
01-05-2011

"Não é com a liberalização dos despedimentos que a crise se resolve. É com outra organização, sem destruir a contratação colectiva", afirmou Manuel Alegre em entrevista ao Diário de Notícias e TSF, divulgada no Dia do Trabalhador e num momento em que decorrem as negociações com a troika para o pacote de estabilização financeira do país. Manuel Alegre abordou as raízes da crise e as alternativas políticas em presença, considerando que "o arco do governo são todos os que estão representados na AR". Defensor de uma "cultura de negociação" e da abertura dos partidos à sociedade, Alegre entende que "é conveniente" o próximo governo ter apoio parlamentar maioritário, mas isso não pode ser imposto pelo Presidente, nem significa obrigatóriamente um governo de coligação. Quanto aos resultados eleitorais de 5 de Junho, Alegre, preocupado com o Estado social, considera que "tudo é possível", mas que não se deve "falsificar nem fazer batota" já que as diferenças entre o PS e o PSD são "substanciais".
Veja a entrevista na íntegra no desenvolvimento da notícia.
Veja um resumo em video AQUI Ler mais

*
Manuel Alegre em entrevista ao DN
21-01-2011

Manuel Alegre garante que a sua candidatura presidencial continua a representar uma alternativa semelhante à que apresentou há cinco anos. E assume que PS e Bloco de Esquerda divergem muito, mas que conseguiram juntar-se nesta campanha. Com significado, diz.

Ler mais
*
Manuel Alegre em entrevista à Revista Lusitano:
17-01-2011

"A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa pode ter um papel crescente. E sem esquecer também os portugueses espalhados pelo mundo, que são o primeiro rosto de Portugal nos contributos quotidianos que dão às sociedades onde se inserem”.

Ler mais
Inquérito aos candidatos presidenciais
08-01-2011

Manuel Alegre: "A maior arma contra a corrupção é a transparência, acompanhada de regras claras, boa fiscalização e sancionamento expedito de quem prevarica." Ler mais

Inquérito aos candidatos presidenciais
07-01-2011

Manuel Alegre: "A Constituição da República aponta para a gratituidade de todos os graus de ensino." Ler mais

Inquérito aos candidatos presidenciais
06-01-2011

Manuel Alegre: "se algum governo, seja ele qual for, ou alguma maioria parlamentar, seja de quem for, puser em causa o Serviço Nacional de Saúde tal como está consagrado na Constituição,eu veto." Ler mais

Inquérito aos candidatos presidenciais
05-01-2011

Manuel Alegre: "propus-me lançar a partir de Belém uns Estados Gerais da Justiça que possam juntar todos os agentes, os meios de comunicação social e a própria sociedade numa reflexão profunda sobre a morosidade e a falta de confiança na justiça, um dos mais graves problemas portugueses." Ler mais

Inquérito aos candidatos presidenciais
04-01-2011

Manuel Alegre : "a grande aposta estratégica (...) é incorporar no nosso tecido empresarial as elevadas qualificações das gerações jovens, cujo desemprego e precariedade constituem o nosso maior desperdício de recursos." Ler mais

*
Manuel Alegre em chat no Público on-line:
17-12-2010

Manuel Alegre esteve esta manhã num chat no Público on-line, moderado pela jornalista São José Almeida, no qual expôs as razões da sua candidatura e respondeu às perguntas dos leitores. Questionado sobre o que deseja para as mulheres portuguesas em 2011, o candidato manifestou o desejo da "plena vivência dos seus direitos já consagrados na Constituição e na Lei". Para Manuel Alegre, "não basta instituir na lei a igualdade de género, é preciso levá-la para a vida em todos os sentidos. Profissão, política, família", considerando que "um dos problemas mais graves neste momento ainda é o da discriminação da mulher no trabalho".
Transcrevemos de seguida o chat, que pode também ver AQUI Ler mais

Encontro-debate no ISCSP
07-12-2010

Razões da candidatura


"Portugal está em risco na sua autonomia e na sua soberania e a qualidade da nossa democracia está ameaçada. E é por isso mesmo que me apresento" Ler mais

*
Manuel Alegre ao Sol
26-11-2010

Aos 74 anos, o poeta e ex-deputado tenta pela segunda vez a eleição presidencial, agora com apoio partidário. Queixa-se de a sua campanha estar a ser ignorada nos media e diz que «não se candidata para preservar o Governo do PS».
Como está a correr a campanha?
Muito bem, mas tem sido boicotada. Há uma tentativa de desvalorizar esta campanha. Isso é evidente. Mas eu não aceito que a comunicação social continue a ignorar os jantares com 500 e 600 pessoas que temos feito. Como é? Estou outra vez na clandestinidade? Ler mais

*
Livro- entrevista de Manuel Alegre a João Céu e Silva
18-11-2010

Num livro-entrevista sobre a sua vida e obra, o poeta-político conta que ficou incomodado com o fim da amizade com Mário Soares, e que até lhe pediram que fosse ele a apresentar a candidatura do antigo camarada a Belém para ajudar a direcção do PS a resolver a situação, diz não saber se Fernando Nobre é de esquerda e esclarece que "não há nada que impeça o presidente de publicar um livro de poemas". Ler mais

*
Manuel Alegre sobre o papel desempenhado pelo actual Presidente da República:
13-11-2010

Assume que a dimensão da crise política e económica lhe dificultou o combate mas também lhe aumentou a motivação: Cavaco, acusa, tem estado ausente e Portugal precisa de um Presidente que se faça ouvir. Ler mais

*
Entrevista à revista SIM
07-11-2010

Natural de Águeda, Manuel Alegre começou a sua vida política ainda no tempo de estudante em Coimbra, e desde logo ficou “marcado” pela PIDE. O serviço militar e consequente chamada para a Guerra Colonial foram tentativas do regime de calar a sua revolta, mas nem durante esse período Manuel Alegre se conteve. Foi preso, fugiu e regressou a Portugal para se tornar num dos rostos do pós-25 de Abril. Ao fim de mais de 30 anos, candidatou-se à Presidência da República, sem apoios partidários e fazendo uma corrida “pelo lado de fora”. Conseguiu, contudo, angariar mais votos que Mário Soares, na batalha com Cavaco Silva. Voltou a candidatar-se este ano, desta vez com apoio partidário e logo de dois partidos (PS e BE) e espera contribuir para recuperar o país. O “político-poeta” (não lha fez confusão ser chamado assim) apresenta-se em entrevista à revista SIM. Ler mais

Manuel Alegre ao DN:
28-10-2010

Que análise faz à rutptura na negociação entre PSD e Governo?
A mim não me surpreende muito. Sei que o Presidente convocou o Conselho de Estado, mas eu já tinha avisado... Primeiro, (Cavaco Silva) convocou os partidos depois de eles se terem desentendido politicamente, quando deveria tê-lo feito antes. Agora, convocou o Conselho de Estado depois de um desentendimento público. Eu vou e tentarei contribuir com sentido de Estado. Ler mais

*
Gente que conta - Manuel Alegre
entrevista conduzida por João Marcelino para o DN e TSF
23-10-2010

"Se fosse presidente, teria convocado o Conselho de Estado. Teria convocado os partidos políticos antes de eles se desentenderem. Teria convocado os parceiros sociais, sindicatos e associações patronais. Teria tentado promover uma concertação, política e social. (...) E teria tentado sensibilizar chefes de Estado, governos e instituições estrangeiras. (...) Há situações em que o Presidente da República deve pronunciar-se, não pode ser só um gestor de silêncios. (...) Tem havido uma certa falta de comparência do Presidente da República".
Veja o video da entrevista AQUI
Oiça a entrevista na TSF AQUI Ler mais

16-10-2010

Crítico em relação à pressão do poder económico sobre o poder político, firme na manutenção da independência face ao Governo e ao partido que o apoia, Manuel Alegre crê que é desta que os portugueses lhe darão um voto de confiança e que derrotará Cavaco Silva, nem que seja numa segunda volta. As sondagens aproximam-no do Presidente da Republica, que continua a descer nas intenções de voto. Ler mais

2 / 3
1 2 3