Descobrir não é criar. Chegámos sempre ao que, antes de nós, já lá estava. Mas em cada chegada aconteceu uma dupla descoberta: a dos outros por nós e a de nós próprios pelos outros.
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
> Discurso Directo
> Discurso Indirecto
Manuel Alegre em entrevista a Ana Lourenço:
"Estamos a viver em estado de golpe"
26-06-2013 Sic Noticias

"Estamos a viver uma espécie de estado de golpe, a Constituição não está a ser respeitada" denunciou Manuel Alegre em entrevista a Ana Lourenço. "Há muitas maneiras de violar a Constituição, e uma delas é não a respeitar", disse ainda, criticando severamente a desobediência do Governo ao Tribunal Constitucional quanto ao subsídio de férias de funcionários públicos e pensionistas e o facto de o Presidente da República ter sancionado essa desobediência, promulgando o diploma.
Veja a entrevista AQUI

Manuel Alegre, que também falou sobre o seu último livro, "Tudo é e não é", manifestou a sua preocupação com o que se passa em Portugal: "Como é que o governo se põe ao lado dos credores e não dos interesses nacionais?"

Reiterando o seu apoio à greve geral, porque "os direitos são para se praticar", Manuel Alegre verberou a atitude do FMI, ao vir dizer agora, face aos maus resultados dos programas de austeridade, que "a receita estava errada". Para Manuel Alegre, não se trata de erros mas de crimes políticos, verdadeiros "crimes de guerra", feitos em nome da defesa do capital financeiro.

Manuel Alegre considerou ainda que estamos perante a "reinvenção da luta de classes", prevendo uma crescente radicalização da situação e a possibilidade de surgirem coisas inesperadas, como está a suceder no Brasil. Alegre terminou criticando a incapacidade de entendimento entre os partidos da esquerda, pois a esquerda existe "para mudar o que está estruturalmente mal".