Nós voltaremos sempre em maio
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
> Discurso Directo
> Discurso Indirecto
*
Opinião
30-05-2010 José Leitão, blogue inclusão e cidadania

A candidatura de Manuel Alegre foi aprovada por esmagadora maioria pela Comissão Nacional do Partido Socialista, por proposta do secretário-geral, José Sócrates, apenas com uma abstenção e dez votos contra. Verificaram-se assim serem manifestamente exageradas as notícias de que existiam muitas reticências no Partido Socialista a este apoio.
É uma decisão clara e inequívoca que não compromete o carácter independente da candidatura de Manuel Alegre, um socialista que não renuncia a essa condição. Não é um mero apoio formal. O PS quer que Manuel Alegre ganhe as eleições e vai bater-se por essa vitória, ao lado de todos os que apoiam esta candidatura. Ler mais

*
Opinião
28-05-2010 José Manuel Pureza, Sol

O atraso estrutural do país tem muitos rostos. A dívida do país para com os seus mais de dois milhões de pobres, para com os seus mais de 700 mil desempregados, para com a inserção crescentemente precarizada dos seus mais jovens no mundo do trabalho, para com o número cada vez maior de compatriotas que vão para o estrangeiro à procura de um horizonte de dignidade mínima para as suas vida, enfim, a desigualdade, a injustiça, e a falta de perspectivas de futuro – essas são inquestionavelmente as mais importantes expressões do nosso atraso. Ler mais

*
Stiglitz analisa a crise do euro para o jornal Le Monde
Entrevista conduzida por Virginie Malingre
23-05-2010 jornal Le Monde, tradução nossa

Joseph Stiglitz, 67 anos, Prémio Nobel de Economia em 2001, ex-conselheiro económico do presidente Bill Clinton (1995-1997) e ex-economista chefe do Banco Mundial (1997-2000), é conhecido pela sua postura crítica sobre as principais instituições financeiras internacionais, o pensamento único, a globalização e o monetarismo. Analisou a crise do euro em entrevista ao jornal “Le Monde”. Ler mais

Figura 1 - Dívida pública bruta consolidada ( em % do PIB) nos EUA e na Zona Euro
Figura 1 - Dívida pública bruta consolidada ( em % do PIB) nos EUA e na Zona Euro
19-05-2010 Paul de Grauwe, http://www.voxeu.org, tradução nossa

A crise da dívida pública assola a Zona Euro. Este artigo sustenta que a causa da crise está a ser mal compreendida. O culpado é um sector bancário privado perdulário, que colocou sob pressão as finanças públicas, que sem isso podiam ser bem geridas. O aumento da dívida atingiu este ponto de crise porque a Zona Euro é uma união monetária sem união política - não há um corpo de bombeiros para apagar o fogo.
Ver o artigo original em inglês AQUI Ler mais

*
Opinião
12-05-2010 Baptista Bastos, DN

Perderam-se as referências cívicas que assinalaram o nosso tempo e marcaram os nossos destinos. Um desfile de nomes, de obras, de probidade, de desempenho ético, que reabilitaram a fisionomia moral e cultural de uma pátria sequestrada pela violência do fascismo.
Não dispomos, hoje, de muitos valores exemplares, que nos permitam organizar a vida segundo os princípios de uma sociedade decente. Talvez Manuel Alegre seja um dos últimos dessa estirpe. Ler mais

*
Opinião
12-05-2010 Ferreira Fernandes, DN

No seu site, ontem: "Manuel Alegre Melo Duarte cumpriu o serviço militar, nomeadamente em África e em situações de combate." Alegre, de quem se dizia que foi um desertor, teve de vir dizer que não o foi, esteve em Angola, em situações de combate, foi preso e mandado regressar a Portugal - de onde, na iminência de ser preso pela PIDE, exilou-se, em 1964. Parecerá uma declaração insólita mas as calúnias que há para aí (o para aí são as caixas de comentários que a Internet permite) obrigaram Alegre a fazê-la. Ler mais

*
Opinião
10-05-2010 José Luís Cardoso, Público

Os "magníficos ex-ministros", se tivessem um mínimo de pudor, estariam calados, dado não lhes reconhecer autoridade política para resolver a grave crise que atravessamos. Ela é filha das políticas que implementaram quando foram governo. O senhor Presidente não deve esquecer que foi ministro das Finanças e primeiro-ministro por um longo período de tempo. E não deve esquecer que as profundas desigualdades sociais que vivemos são uma consequência directa desse período. Os seus seguidores, nos quais se incluem os ex-ministros das Finanças, limitaram-se a consolidar e agravar essas desigualdades, causa última da crise que atravessamos. Ler mais

*
Opinião
08-05-2010 José Leitão, http://inclusaoecidadania.blogspot.com

"Não é possível adiar a esperança, não podemos adiar o apoio a Manuel Alegre." Ler mais

Carlos César em entrevista ao Expresso:
08-05-2010 Cristina Figueiredo, Expresso (excertos)

O presidente do Governo Regional dos Açores e líder do PS/Açores foi um dos primeiros a declarar o seu apoio a Manuel Alegre. Na semana em que o histórico socialista foi a Ponta Delgada oficializar a sua candidatura a Belém, César, em entrevista ao Expresso, não poupa nas críticas ao actual Presidente da República. Ler mais

05-05-2010 Paulo João Santos, Correio da Manhã

"Penso que o PS aprendeu a lição das presidenciais de 2006. Alegre é o socialista mais bem colocado e o único capaz de mobilizar toda a esquerda. Não se percebe é a razão pela qual o PS tarda tanto em apoiar tão destacado e influente militante." Ler mais

*
Opinião
05-05-2010 Rui Tavares, Público

Se Manuel Alegre conseguir impor-se contra a política da falta de imaginação e da falta de esperança, já terá ganho. Se esta for uma eleição de viragem, essa será uma vitória de todos. Ler mais

*
04-05-2010

Actualidade do seu conceito de democracia: "É a igualdade económica e social tendo por instrumento a liberdade política".

Actualidade da ideia de tolerância: "Não pretendemos impor opiniões, vimos simplesmente expor as nossas; não pedimos adesão, pedimos apenas discussão."

Actualidade e modernidade de Antero, quando nos alerta para os riscos da indiferença em política: "Um dos piores sintomas de desorganização social que num povo livre se pode manifestar é a indiferença da parte dos governados para o que diz respeito aos homens e às cousas do governo. Um povo de dormentes só no cemitério se encontrará."

Actualidade e modernidade de Antero quando nos adverte para o perigo dessa doença chamada atonia: "No mundo político manifesta-se pelo abatimento de todos os centros locais, pelo desaparecimento de qualquer iniciativa independente da direcção oficial, pela substituição de um mecanismo superficial e mesquinho à bela e rica manifestação espontânea das forças livres e originais, pelo arrefecimento, pelo empobrecimento da vida nacional, em proveito de uma coisa falsa, artificiosa e estéril, a centralização."

Modernidade e actualidade de Antero quando a si e aos seus deste modo se define: "Como homens de acção a nossa divisa é esta: crítica e reforma das instituições, paz e tolerância aos homens." Ler mais