Descobrir não é criar. Chegámos sempre ao que, antes de nós, já lá estava. Mas em cada chegada aconteceu uma dupla descoberta: a dos outros por nós e a de nós próprios pelos outros.
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
> Discurso Directo
> Discurso Indirecto
Para todos os assuntos relacionados com o autor Manuel Alegre ou com a sua obra literária contacte rbreda@dquixote.leya.com
João Ferreira da Costa
Divisão no PS ?
19-01-2010

Os militantes do Partido Socialista e os que votam neste partido estão maioritariamente ao lado e Manuel Alegre e desejam que este histórico socialista seja apoiado pelo partido nas próximas eleições presidenciais.
Só quem não sente o povo, quem julgue, erradamente, que ainda existem contas para ajustar (sempre os mesmos) ou aqueles a quem a candidatura de Manuel Alegre retirou a hipótese de poderem ser o candidato oficial do partido (António Victorino, por exemplo, que, agora, já não tem necessidade nenhuma de abandonar o programa de televisão ...), ou quem, no PS, perdeu todas as ligações à realidade e já não tem capacidade para ver o que se está a passar, só este tipo de pessoas é que podem defender outra solução para as presidenciais que não seja Manuel Alegre. São estes militantes que dividem o PS, porque o partido está, como todos vêm, com Manuel Alegre.

Nas últimas eleições presidenciais o candidato do PS obteve 14.34% dos votos porque se chamava Mario Soares... . Se o candidato fosse outro não teria chegado aos 5%, porque houve muitos eleitores socialistas que votaram Mário Soares por razões históricas, sentimentais e até mesmo reverenciais.

Se o candidato do PS tivesse sido outro não teria ultrapassado 5% dos votos, o que significa que Manuel Alegre nas últimas eleições presidenciais teria sido escolhido por mais de 30% dos eleitores.

É por estas razões que aqueles, no Partido Socialista, a quem a candidatura de Manuel Alegre não agrada devem cessar de continuar a dividir o partido e os eleitores socialistas. O azedume e o revanchismo só favorecem Cavaco Silva e o projecto que este cultiva para governar a partir de Belém.