"Amália, mais do que ela, é todos nós"
Manuel Alegre
InícioManuel AlegreNotíciasAgendaOpiniãoPresidenciais 2011LinksPesquisa
YouTube Twitter FaceBook Flickr RSS Feeds
> Discurso Directo
> Discurso Indirecto
Para todos os assuntos relacionados com o autor Manuel Alegre ou com a sua obra literária contacte rbreda@dquixote.leya.com
Fernando Branco
Entrevista de hoje
02-06-2010

Ouvi esta noite Manuel Alegre dizer que em 2006 ficara a 29000 votos da segunda volta. Eu lembrava-me que a diferença tinha sido pequena, mas pensava que era superior.
Usando os oficiais do site do MAI, se não me enganei nos cálculos, teriam sido necessários mais 69896 votos de eleitores que não votaram em qualquer dos outros candidatos, ou 34948 votos de eleitores que votaram em Cavaco Silva (ficarei surpreendido se muitos espectadores acharem que foi neste último sentido que o número foi referido). Naturalmente transferência de votos de qualquer outro candidato para Manuel Alegre nada teria alterado.
Se eu próprio não me enganei nos cálculos, este tipo de engano na televisão em frente de milhões não é aceitável.
Resposta da candidatura: Os seus cálculos não estão correctos. Segundo os números definitivos das presidenciais de 2006, Cavaco Silva teve 50,59% dos votos e Manuel Alegre 20,72%. Se Cavaco Silva tivesse tido 49,99% não teria havido segunda volta. Isto significa que com menos 32.763 votos Cavaco Silva falharia a segunda volta. Se Manuel Alegre tivesse tido mais 29.000 votos e toda a restante esquerda mais 3.763 votos, Cavaco Silva teria sido obrigado a uma segunda volta. Isto, no pressuposto que o número final de votantes seria o mesmo e de que haveria transferência de votos de Cavaco Silva para a esquerda. Seja como for, a ordem de grandeza é a mesma - em 2006, foram apenas cerca de 30.000 votos que separaram Cavaco Silva de uma segunda volta com Manuel Alegre.